Programa 4

Educação para a Sustentabilidade

Objetivo

Capacitar equipes escolares para que desenvolvam projetos em parceria com as comunidades, promovendo uma educação de qualidade com a prática da sustentabilidade em seus aspectos econômico, social e ambiental.


Duração

8 meses

Público Direto

Professores, Educadores e Gestores de Escolas Públicas e ONG’s.

Público Indireto

Adolescentes e jovens de escolas públicas, centros de juventude e outras instituições educativas, e suas famílias.

Estratégias

Oficinas coletivas e orientação individual aos professores/educadores e gestores para que, usando a estratégia dos Pequenos Projetos Didáticos, desafiem os adolescentes e jovens para a construção de projetos de sustentabilidade na própria Escola (ou ONG) e na comunidade, apoiando-os nessas tarefas e, assim, os motivem para o alcance dos objetivos didáticos próprios da Escola (ou ONG).

Resultados

  1. Aumenta a consciência na escola e na comunidade sobre a importância da sustentabilidade: adolescentes, jovens, educadores e lideranças da comunidade, ao participar de projetos de intervenção na realidade, ampliam seu conhecimento quanto aos fundamentos da sustentabilidade, em seus aspectos econômicos, sociais e ecológicos, e compartilham valores nessa direção.
  2. Escola e Comunidade se tornam mais “sustentáveis” por intermédio do desenvolvimento de projetos com o apoio dos Jovens: a Escola (ou ONG) dá exemplo de sustentabilidade, desenvolvendo para isso projetos sobre sustentabilidade com os jovens tais como: uso sustentável de materiais, de água, de energia; compras sustentáveis; consumo sustentável; inclusão social e cultural, etc.; e na comunidade também são feitas mudanças nesse sentido, pela ação direta dos Jovens, com apoio de familiares, lideranças e instituições locais.
  3. Melhora nas relações da escola com a comunidade à qual ela serve: ao colocar em prática projetos na escola e na comunidade, aumenta a corresponsabilidade de todos por uma educação de qualidade que possa levar os jovens a práticas sustentáveis.
  4. O ensino se torna mais ativo, associando a teoria à prática: os educandos se motivam e se mobilizam mais para aprender, pois reconhecem o valor dos conhecimentos para a vida, descobertos por meio de experiências e da aplicação prática, o que aumenta seu domínio de conceitos e habilidades correspondentes.
  5. Os professores passam a planejar e executar Projetos Didáticos capazes de motivar os alunos: utilizam pequenas unidades de ensino com atividades práticas e teóricas bem concatenadas para atingir os objetivospedagógicos propostos em cada etapa.
  6. A avaliação é usada como instrumento de pesquisa do professor: investem na qualidade de sua atuação com base na reflexão, na avaliação diagnóstica, no registro dos resultados, na auto avaliação do aluno.
  7. Jovens preparados para desenvolver projetos simples: educandos vivem experiências que desenvolvem competências para identificar necessidades e oportunidades, pensar estrategicamente, propor soluções, aplicar ações em equipe, avaliando cada etapa e redirecionando sua prática até alcançar seus objetivos.
  8. Melhora nos índices de aproveitamento medidos nas avaliações internas e externas: alunos mostram melhor desempenho nas provas e nos exames estaduais e nacionais da educação.

 

Achou interessante? Fale conosco