Nossa história


Nascemos de uma
pergunta inquietante


Por que nossas crianças, que aprendem tão bem em casa, revelam tanta dificuldade na escola?





Era o ano de 1991, quando o índice de reprovação e evasão escolar no Brasil atingia cifras assustadoras. O mesmo perfil acontecia no microcosmo da Aldeia de Rio Bonito, uma unidade das Aldeias SOS* na zona sul de São Paulo. Ali, educadores e gestores, voluntários e doadores buscavam solução para o problema, percebendo a necessidade de se buscar um jeito de ensinar diferente que combinasse melhor com a forma de aprender dos alunos de escolas públicas; que conseguisse despertar o interesse pelos conteúdos escolares e favorecer sua assimilação.

O primeiro passo foi buscar casos de sucesso: Como fazem aqueles professores que sempre conseguem um bom rendimento dos seus alunos? O que acontece naquelas vezes em que tudo dá certo para a maioria dos professores?

Essa pesquisa e a consulta à literatura especializada resultaram em uma proposta para melhorar o ensino e priorizar a permanência nas escolas das crianças com risco de fracasso escolar ou de evasão. Proposta Pedagógica Labor.

Um projeto piloto foi aplicado (por 13 anos) em uma pequena escola de primeiro grau - "Labor Escola de Primeiro Grau Hermann Gmeiner" - para testar e aperfeiçoar a Proposta Pedagógica Labor. A escola começou em 1992, com 25% de crianças da Aldeia SOS de Rio Bonito e 75% de alunos das escolas públicas do entorno, aquelas crianças repetentes e que as escolas consideravam “casos perdidos, sem condições de aprendizagem”.

A experiência foi essencial para confirmar os acertos da nova proposta e ajustá-la melhor à realidade escolar.

Já em 1995, a Proposta Labor foi citada na coletânea Raízes e Asas, um levantamento de experiências escolares inovadoras editado pelo CENPEC com apoio do UNICEF. A partir desse ano também foram aparecendo algumas escolas públicas interessadas em conhecer melhor a proposta.

Em 1997 quatro escolas públicas paulistas participaram de um curso de transferência da metodologia da proposta Labor, com duração de 2 anos. O grande objetivo era instrumentalizar educadores a serem coautores de um ensino mais eficaz para as crianças e adolescentes em risco de exclusão escolar.

Esse curso foi alvo de uma pesquisa da PUCSP com apoio da FAPESP e da VITAE. Foi uma pesquisa muito importante para a Labor, porque, além de referendar a proposta e a forma de introduzi-la nas escolas públicas, trouxe um novo desafio: a constatação da importância dos diretores para efetivar as mudanças na escola.

Em 2000, a Labor voltou a pesquisar e elaborar uma proposta de gestão escolar democrática, com ferramentas que facilitam a elaboração dos Projetos Políticos Pedagógicos com toda a comunidade escolar, como preconiza a LDB de 1996.

Da fundação da organização em 1991 até 2015, foram desenvolvidos 45 projetos diferentes, envolvendo muitos parceiros, em vários estados brasileiros, com 2.841 escolas, atingindo diretamente 21.500 educadores, destes, 2.560 com orientação individualizada. Indiretamente, cerca de 1.492.450 alunos foram beneficiados. Além disso, a “pedagogia Labor” influenciou diretamente muitos outros projetos cuja proposta pedagógica se inspirou diretamente na forma de atuar dessa organização. Esse foi o caso, por exemplo, do Projeto Fonte da Vida (80 escolas na região metropolitana de São Paulo, com repasse de metodologia para escolas da Argentina) e do Projeto Genesis (90 Escolas no Espírito Santo, com repasse de metodologia e material didático para as escolas do Principado das Astúrias – região ao norte da Espanha). Saiba mais em Casos de Sucesso.

O trabalho da Labor está baseado na premissa de que a educação das crianças é um canal indispensável para a socialização. Hoje, sem a escola, a exclusão é inevitável.

tela

Esse curso foi alvo de uma pesquisa da PUCSP com apoio da FAPESP e da VITAE. Foi uma pesquisa para o Trabalho, porque, do desafio de efetivar a proposta e a forma de referenciar muito importante nas escolas públicas, constata-se um novo: a importância dos diretores para efetivar mudanças na escola.

Em 2000, a Labor voltou a pesquisar e elaborou uma proposta de gestão escolar democrática, com ferramentas que facilitam a elaboração dos Projetos Políticos Pedagógicos com toda a comunidade escolar, como preconiza a LDB de 1996.

De 1991 a 2022 foram aproximadamente 105 projetos. 07 Estados 3.345 Escolas 23.288 Educadores 1.752.021 Alunos com orientação individualizada. Além disso, a “pedagogia proposta” pode influenciar diretamente a organização da “pedagogia proposta”, a outros projetos, diretamente, cuja proposta funcionará. Esse foi o caso, por exemplo, do Projeto Fonte da Vida (80 escolas na região metropolitana de São Paulo, com repasse de metodologia para escolas da Argentina) e do Projeto Genesis (90 Escolas no Espírito Santo, com repasse de metodologia e material didático) ) para as escolas do Principado das Astúrias – região ao norte da Espanha). Saiba mais em Casos de Sucesso.

O trabalho da Labor está baseado na premissa de que a educação das crianças é um canal indispensável para a socialização. Hoje, sem a escola, a exclusão é.

Linha do tempo


tela

A Associação Educacional Labor foi fundada em 1991, uma instituição sem fins lucrativos, por uma equipe de educadores em busca de uma proposta pedagógica diferenciada que priorizasse a permanência na escola de crianças com histórico de fracasso escolar ou em processo de evasão.

tela

É criada uma pequena escola de primeiro grau - "Labor Escola de Primeiro Grau Hermann Gmeiner", para atender crianças da Aldeia e da região. A escola começou com 25% de crianças da Aldeia SOS de Rio Bonito e 75% de alunos das escolas públicas do entorno, justo as crianças repetentes e que as escolas consideravam "casos perdidos, sem condições de aprendizagem".

FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e VITAE aprovam projeto de pesquisa pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica), tendo como base a "pesquisação" em quatro escolas que demandaram e estavam passando pelo processo de capacitação da proposta Labor. É produzida, assim, a primeira versão dos fascículos Labor.

tela

Grupo Multidisciplinar apoiado pelo Instituto C&A, desenvolve uma proposta de Gestão Estratégica Participativa (GEP) para as escolas.

Em 2001, a Labor é classificada como a 395ª Maior Entidade Beneficente do Brasil em 2001, de acordo com a Análise efetuada pela Kanitz & Associados.

Em 2003 a Labor se torna parceira da SABESP - Projeto “Água Viva, Viva Água” e da Fundação Itaú Social - Projeto “Colaborar e Crescer com Diadema”. No seguinte, inicia parcerias com o Grupo VOITH - Projeto “Aprendendo a Sonhar” e BOVESPA Social - Projeto “Jovens em Ação”.

Ao todo, foram beneficiados diretamente 475 professores, e inditetamente 50.77 alunos de 47 escolas.

Em 2005 a Labor firma parceria com o Rotary Clube - Projeto “Ler e Escrever com Prazer” e continua com apoio da Fundação Itaú Social - Projeto “Realizando Sonhos”. No seguinte, a Labor se torna parceira da AES Eletropaulo - Projeto “Fique Ligado”, da Odebrecht, AMUBS e IDES - Projeto “Capacitação de Educadores Municipais do Baixo Sul”, e do Instituto UNIBANCO - Projeto “Jovem de Futuro”.

Em 2007, a Associação Educacional Labor foi listada oficialmente na relação das ONGs mais competentes do mundo para atuação em parceria com a iniciativa privada, ficando entre as 6 eleitas do Brasil. A lista foi elaborada pelo Pacto Global Nações Unidas, e a relação foi divulgada em 2007, Encontro de Líderes do Pacto Global, organizado pela ONU em Genebra.

Ao todo, os projetosam diretamente 435 professores,122 diretores,15 coordenadores,e alunos31.70 alunos de 75 escolas e 10 creches.



Em 2008, a Labor inicia parceria com o Instituto Sylvio Passarelli - Projeto “Passaporte para o Sucesso”, e em continuação à parceria com a AES Eletropaulo, implanta o Projeto “Plano de Ação para as Creches mantidas pela AES Eletropaulo”. No ano seguinte, a Labor iniciou parceria com a Hamburg Süd - Projeto “Educação: Transporte para o Sucesso”, e Gerdau Aços Longos S/A - Projeto “Passaporte para o Sucesso”.

Na Escola Giulio David Leone se dá o 1º projeto de formação de Coordenadores Pedagógicos. Este projeto se repetiu, nos anos seguintes, em diferentes locais, sendo o único a orientar a prática dos CPs na região e, ao que tudo indica, no Brasil.

Ao todo, os projetos beneficiaram diretamente 127 professores, 32 coordenadores, e indiretamente 26.140 alunos de 49 escolas e 2 creches.



Em 2011, a Labor inicia parceria com as empresas SunCoke Energy - Projeto “Subindo a Serra, Ampliando Horizontes”, com a Construtora Andrade Gutierrez SA - Projeto “Zona Sul de São Paulo: Conquistando excelência em Educação”, e é contemplada com recursos do FEMA (Fundo Municipal de Meio Ambiente) - Projeto “Guarapiranga: Te Quero Viva”.

Dois anos depois, a Labor dá um grande passo, ao implementar uma plataforma Moodle (Ensino à Distância) nos seus projetos. Desenvolvemos projetos com a Associação Parceiros da Educação - Projeto “A Equipe Gestora Construindo uma Escola de Qualidade”, e iniciamos uma formação junto com a Vivenda da Criança.

Ao todo, os beneficiários são diretamente 564 professores 37 diretores, 54 vice-diretores, 54 coordenadores gestores, professores contratados, 24.30 alunos de 60 escolas.



tela

Em 2014, começa a parceria do Labor com a SunCoke Energy, Secretaria Municipal de Educação da Serra e Secretaria Estadual de Educação para professores de escolas. estado do município da Serra, ES - Projeto “O Pedagogo como Agente Articulador do Processo Pedagógico da Escola”. E também é firmada uma parceria com o Instituto Alcoa - Projeto “O Coordenador como Articulador do Processo Pedagógico da Escola”.

Em parceria com a Fundação Hermann Hering, o Labor desenvolve um projeto voltado para Coordenadores Pedagógicos das Secretarias de Educação - Municipal e Estadual - dos municípios de Goianésia e São Luís de Montes Belos no estado de Goiás.

Ao todo, os projetos beneficiaram diretamente 64 educadores, 2 técnicos da Secretaria Estadual e 2 técnicos da Secretaria Municipal, e indiretamente 1.240 professores e 30.400 alunos.

tela

Por meio do case "Educação para a Sustentabilidade", a Associação Educacional Labor recebeu o selo do Programa Benchmarking que reconhece, certifica e compartilha as melhores práticas socioambientais das instituições brasileiras.

Labor consolida Programa de Capacitação de Pedagogos, equipes gestoras e completa 10 anos de parceria com a SunCoke Energy, atuando com escolas públicas do Município de Serra, com a Secretaria de Educação do Espírito Santo e a Secretaria de Educação do Município de Serra (ES).

Labor faz parceria com o Amankay Instituto de Pesquisa para desenvolver um piloto do Programa de Educação Inclusiva, apoiado pelo Instituto Mahle, na região do Grajaú, São Paulo.

Trabalhadores participantes do Programa "Aprendendo a Lidar com o Dinheiro" escrevendo o Caderno do Educador para a Editora BEI e realizando formação de professores com o Instituto BEI em PE e GO.

tela

Com a pandemia, o trabalho reestruturou, aulas de reforço a educação a distância (EAD), com a ampliação do plano de avaliação, aulas ao vivo, formação de formação, aulas tutoria, atividades e diversificadas. Com esse novo formato, o Labor consegue aumentar a escala de sua formação, ampliando o impacto de seus programas. Adicionar ao texto que já está no site: Labor é aprovado no edital da Fundação Salvador Arena e inicia-se a formação sobre Educação Inclusiva. Validamos o “Apadrinhe um projetor”. Além disso, novas oportunidades facilitadas com a BEI Educação para o desenvolvimento de livros.

Fale conosco
contato@labor.org.br
+55 (11) 99544 9355 (whatsapp)

Localização
Nosso Escritório
CIVI-CO | Negócios de Impacto Social
Rua dos Glicinías, 178
Mirandópolis, São Paulo/SP, 04048-050
Espaço Compartilhar FICAS
Rua Dr. Lopes de Almeida, 180
Vila Mariana, São Paulo/SP, 04120-070

Horário de Funcionamento
De Segunda a Sexta das 9h00 às 18h00

© Copyright 2022. Todos os direitos reservados.