Labor Educacional

Escola e comunidade: uma relação essencial para a educação

Como criar sinergia entre professores, pais e alunos? Por que ela é benéfica para a educação?

Em 2017, o número de crianças matriculadas no ensino fundamental foi de 12,019 milhões e no Ensino Médio, cerca de 7 milhões de alunos. Segundo o censo realizado pelo MEC, houve redução no número em relação a 2016. Mas o dado que preocupa é a evasão escolar no ensino médio: a taxa registrada foi de 11,2%.

Afinal, porque crianças e jovens abandonam a escola? A pergunta não tem uma resposta só – mas quando escola e comunidade caminham juntas, fica mais fácil trilhar novos passos para um futuro onde a educação seja valorizada.

Sua escola tem parceria com a comunidade?

Saiba que este é o primeiro passo para a criação de uma proposta pedagógica mais efetiva: estabelecer parceria para conhecer os desafios, as limitações e as potencialidades da região onde a escola está e, juntos, buscar soluções.

Segundo pesquisa feita pela Dra. Heloísa Shysmanski da PUC-SP, com o apoio da Labor Educacional, “mobilizar os familiares e a comunidade para participar da construção do Projeto Político Pedagógico ajuda os alunos a ter sucesso na vida escolar e colabora para diminuir a evasão e a violência. Afinal, Família e Escola têm os mesmos objetivos: fazer a criança se desenvolver em todos os aspectos e ter sucesso na aprendizagem”.

Aqui estão algumas dicas importantes que os gestores das escolas públicas podem fazer durante o processo de planejamento pedagógico. Elas ajudam a identificar possíveis problemas e adaptar a aprendizagem às reais necessidades dos alunos da comunidade.

Quanto maior e mais positiva for a interação entre a escola e a comunidade a qual ela atende, maior a probabilidade de a escola oferecer aos seus alunos um ensino harmonioso, sólido e proveitoso.

METAS

Procurar conhecer e trocar experiências com a comunidade

Favorecer vínculos positivos de parceria com os pais de alunos

Evitar depender dos pais para cumprir objetivos da escola. Exemplo: cabe à escola ensinar e aos pais estabelecerem horário de estudo.

Uma grande relação começa com pequenos passos

A tradicional reunião de pais e professores nem sempre funciona de forma eficaz nas escolas públicas. Muitas vezes os comunicados sequer chegam aos responsáveis pelos alunos. Some a isso a dificuldade em entender os porquês: “por que eu preciso ir até a escola do meu filho?”, “por que a escola não fala diretamente com ele?”. A transferência da responsabilidade acontece de forma sistemática, sem que haja um diálogo aberto sobre a importância da participação ativa dos pais no processo educacional.

Por isso, em vez de impor reuniões regulares, que tal começar tudo de novo, sob outro olhar? Convide os pais a conhecerem a escola, os projetos desenvolvidos pelos alunos. Estimule-os a participarem de debates abertos, em que cada um pode sinalizar suas dificuldades em acompanhar os estudos dos filhos, as rotinas familiares e as dúvidas sobre o papel da escola e dos professores.

Você também pode organizar uma agenda para feedbacks individuais junto aos pais dos alunos. Sentar e ouvir a história de cada família ajuda a tornar a experiência muito mais enriquecedora. “Ah, mas eu não tenho tempo para isso!” – que tal começar de outra forma, então? Um e-mail, uma cartinha em que os pais possam responder algumas questões e sintam-se à vontade para ir até a escola compartilhar suas dificuldades. O caminho pode não ser fácil, mas com uma boa dose de empenho e comunicação, novos horizontes começarão a se desenhar.

Dica da Labor:

Plano para conhecer melhor seu aluno e comunidade

Imaginar algumas formas de conseguir informações sobre o aluno, como por ex. pedir que conte sobre si, sua família, sua casa;

Escrever um roteiro de perguntas ou itens para serem respondidos de modo a obter as informações que você acha importantes.

Escolher alunos que serão entrevistados, segundo critérios estabelecidos por você.

Os pilares de uma educação inclusiva

Você já reparou como tem se tornado cada vez mais comum ouvirmos e vermos questões sobre a “inclusão” em diferentes espaços? Nas matérias jornalísticas, nas propagandas e ações publicitárias, nas

Ler Mais